O Sadhana como a Base no Caminho Espiritual

Thumbnail

 Recentemente eu fiz uma viagem aos Estados Unidos. A principal razão para minha viagem de Shree Peetha Nilaya era fazer exames de saúde com meus médicos lá (eu tenho diabetes tipo 1). No entanto, eu também fui capaz de ver alguns de meus familiares e velhos amigos.

Minha família não está particularmente em um caminho espiritual. Talvez eles escondam, mas visivelmente, eles não são "religiosos" ou abertos com suas crenças. Alguns da minha família são mais francos e me fazem perguntas sobre os meandros, os detalhes de minhas crenças e práticas, e outros apenas mantêm distância do assunto.

Independentemente da perspectiva e distância a esse aspecto da vida, isso surge porque é uma parte tão integrante da minha vida. O mundo "externo", o mundo que não pratica a religião ou a espiritualidade ativamente no dia-a-dia, concentra-se bastante nos prazeres imediatos. Nossas mentes rapidamente se alinham aos desejos e gratificações dos sentidos quando não estão enraizados em uma prática que nos alinha com nosso espírito, nossa natureza divina e nossa infinita capacidade de amar. Normalmente estou bem próximo dos outros em um caminho espiritual. Quando não estou, porém, pode ser um grande choque se afastar e se cercar por pessoas com um foco de vida muito diferente de mim.

Costumo me envolver rapidamente nos dramas e jogos do mundo exterior. Normalmente, eu apenas dou risadas quando vejo esse estresse desnecessário, preocupação e tentações tolas de uma vida baseada na gratificação dos sentidos. Eu tento manter uma postura de amor e deixar que emane de mim mesmo. No entanto, eu realmente preciso proteger minha mente de se associar e entrar nesse estilo de vida.

Desta vez que passei nos EUA, no entanto, notei uma fraqueza maior em me proteger do que normalmente observo quando me mudo para esses ambientes. Alguns bons hábitos começaram a cair. Eu também comecei a me mover para a esquerda e para a direita, minha mente dançando com a melodia e os dramas ao meu redor. No entanto, a única coisa que me manteve em controle foi meu sadhana. Minha prática de Atma Kriya é um refúgio para mim. É minha âncora no caminho espiritual e na mentalidade espiritual - para lembrar que sou o amor divino. Então, apesar de minha mente tender a pular e perder o foco, meu sadhana foi o que me trouxe de volta à minha direção preferida.

As palavras de Paramahamsa Vishwananda costumam ecoar em meus ouvidos. Depois que eu tive minha primeira entrevista com Ele, Ele me disse para garantir a prática de meu kriya. Eu levei essas palavras ao coração desde que as ouvi. Eu percebi que depois de ter passado por momentos como nos EUA recentemente, o sadhana é a minha base. Eu sempre volto - pelo menos - ao meu tempo particular na prática. No meu ano passado, como mencionei em meu último post, vi crescimento, em que não vejo mais o kriya "no mínimo". Pelo contrário, eu o vejo como uma ferramenta incrível, a base, os pilares e o alicerce nos quais minha vida espiritual pode ser construída. Quando praticado com uma intenção de amor e um olhar focado no divino, ao invés de praticado mecanicamente, o Atma Kriya Yoga se torna particularmente potente, edificante e protetor. A prática é projetada para nossa mente se tornar tecida com nossa natureza espiritual. Nossa identificação como seres espirituais fortalece, enquanto as fraquezas da identificação material desaparecem. Esta é a graça do Atma Kriya Yoga e do sadhana como um todo.

Estou muito agradecido que o Atma Kriya Yoga está disponível para nós! Seu poder é vital para minha felicidade, minha satisfação interior e meu caminho. O Sadhana é um presente inacreditável para buscadores espirituais. É o próprio alicerce do crescimento espiritual. A disciplina e base que promove são muito resistentes. O Sadhana é tão, tão importante para mim - para qualquer um. Eu tento enfatizar seu papel crucial para todos que podem ler este post, que todos vocês reavaliem seu relacionamento com o sadhana. Pode ajudar a nos definir, a identificar mais a nossa verdadeira natureza como seres amorosos. É um grande presente, uma grande ferramenta.


Blog »